Bem-vindo ao SoQuadrinhos, por favor, efetue Login ou Crie uma conta para ter acesso total aos fóruns. Se tiver algum problema, Entre em Contato.

Detalhes
Função : Escritor, Desenhista
Nascimento : 06/03/1917
Falecimento : 03/01/2005
Naturalidade : Nova York, Estados Unidos
Website : www.willeisner.com
Resposta: #1
Will Eisner
A Lenda dos Quadrinhos

William Erwin Eisner, ou apenas Will Eisner, nasceu no Brooklyn em Nova York no dia 6 de março de 1917. Suas principais influências, quando garoto, foram E.C. Segar (Popeye), George Herriman e Lyman Young (Tim Tyler's Luck). Filho de imigrantes judeus, Eisner, ainda no colégio, foi convidado a participar da Art Students League, onde ele teve aulas com os lendários artistas George Bridgman e Robert Brachman. Aos 19 anos, Eisner terminou o colegial e arranjou um emprego no departamento de publicidade da New York American, trabalhando das 9 da noite às 5 da manhã. Pouco tempo depois (estamos em 1935) ele deixou o emprego para trabalhar como freelancer e também como assistente em uma gráfica.

Seu próximo passo rumo aos quadrinhos foi trabalhando como editor de arte da revista Eve, um periódico voltado para mulheres judias. Eisner foi demitido por incluir desenhos de pugilistas e outros temas violentos que iam contra o perfil da revista.

Sem emprego fixo, Eisner levou seu portfólio para a revista Wow!. Foi aí que ele conheceu seu futuro sócio, Samuel Maxwell ´Jerry´ Iger. Depois de resolver uns problemas que a editora estava tendo com a gráfica, Eisner foi convidado por Iger para trabalhar como seu assistente, mas ele recusou a oferta dizendo que seu interesse era desenhar quadrinhos. A Wow! comprou alguns trabalhos de Eisner, pagando por página desenhada (como é feito até hoje). Infelizmente alguns meses depois a Wow! fechou as portas e Eisner e Iger ficaram sem emprego. Mas como dizem por aí, há males que vem para o bem. A dupla de desempregados resolve juntar forças e dessa união nasce a Eisner-Iger Studio. O estúdio, que tinha Eisner cuidando da parte artística e Iger da comercial, se tornou uma fábrica de hqs e começou a contratar jovens talentos que se tornariam nomes importantes na indústria de quadrinhos norte-americana: Bob Kane, o criador do Batman, Lou Fine, Jack Kirby, co-criador do Quarteto Fantástico e dos X-Men e Mort Meskin. Esse período foi retratado pelo próprio Eisner anos mais tarde na graphic novel O Sonhador.

É claro que o caminho trilhado por Eisner nem sempre foi fácil. Um dos clientes do estúdio era Victor Fox, antigo funcionário da National Periodicals, hoje DC Comics. Fox contratou Eisner para desenhar um personagem que ele havia criado, descrevendo em detalhes as feições, o uniforme e a personalidade do herói, batizado de Wonder Man. O problema é que Fox estava plagiando o Superman e isso resultou em um processo movido pela National Periodicals. Antes da audiência, Fox ligou para Eisner instruindo o artista a dizer em seu depoimento que não havia nenhuma intenção de copiar o Superman , mas Eisner contou toda a verdade e o personagem foi tirado de circulação. Irritado Fox não pagou os US$3 mil que ele devia ao estúdio (na época isso era muito dinheiro). Iger e Eisner achavam que a falência era iminente, mas a editora de pulps Fiction House os contratou para desenvolver uma nova linha de quadrinhos. Essa parceria rendeu bons frutos, como Sheena, A Rainha das Selvas e Hawks of the Seas. A carga de trabalho era pesada e Eisner passou a usar variações mais simples de seu estilo usando vários pseudônimos: Mr. Heck, Willis B. Rensie ("Eisner" de trás para frente), W. Morgan Thoma, Erwin Willis e Wm. Erwin eram os mais comuns. Nessa época o estúdio operava como uma verdadeira fábrica de histórias. Eisner estava encarregado de criar personagens, escrever roteiros, supervisionar a arte além de ele mesmo desenhar algumas histórias. No auge eles produziam 200 páginas de quadrinhos por mês.

Em 1939, Eisner recebeu uma proposta irrecusável da Quality Comics, ele teria que produzir 16 páginas semanais para jornal. Só que para isso ele teria que deixar o estúdio e se dedicar exclusivamente a essa nova série. Depois de refletir muito e conversar com o seu pai, Eisner vendeu sua parte do estúdio para o seu sócio e se dedicou apenas a produção do material para jornal. Alguns artistas acabaram (entre eles Mazoujian, Powell, Fine e Klaus Nordling) seguindo Eisner e o trabalho foi dividido da seguinte forma: Eisner cuidaria sozinho das sete páginas semanais do Spirit enquanto os outros artistas cuidariam das páginas de Lady Luck e Mr. Mystic. Foi nesse momento que Eisner deu duas de suas maiores contribuições para os quadrinhos americanos: a primeira foi o Spirit, personagem que até hoje marca a carreira do artista e o fato de Eisner, como criador do personagem, reter todos os direitos sobre a sua obra, fato sem precedentes até então.

Com Spirit, Eisner queria criar histórias curtas de detetives, um tema que o agradava. Devido à insistência dos editores ele acabou colocando uma máscara no personagem, para tentar atrair leitores de super-heróis. Mais tarde o Spirit também ganhou luvas, mas isso foi o máximo de interferência que Eisner permitiu.

O trabalho seguiu forte até 1942, quando Eisner foi recrutado pelo exército americano para a Segunda Guerra Mundial. Felizmente o artista não foi para o front, seu trabalho era criar pôsteres, ilustrações e quadrinhos educativos (manuais) e de entretenimento para as tropas. Em dezembro de 1945, já liberado do serviço militar, Eisner voltou a trabalhar com o Spirit e não parou até 1952.

Eisner teve uma biografia chamada Will Eisner: A Spirited Life, escrita por Bob Andelman e lançada em 2005 e um documentário produzido por Andrew e Jon B. Cooke, chamado Will Eisner: Portrait of a Sequential Artist(2007).

O Eisner Award, prêmio mais importante da indústria dos quadrinhos nos EUA, foi batizado em homenagem a ele. A cerimônia de entrega acontece desde 1988 na San Diego Comic-Con, maior evento de quadrinhos dos EUA. Eisner faleceu em 2005 deixando um legado inestimável para os leitores do mundo inteiro. Sempre buscando novas formas de contar histórias, Spirit foi também um laboratório para Eisner. Ele criou histórias contadas em forma de música, poesia e até em linguagem nonsense. Durante esse período, Eisner também fundou a American Visuals Corporation, empresa dedicada a produção de quadrinhos e ilustrações para fins educacionais e publicitários. Em 52 Eisner deixou de desenhar Spirit para se dedicar a empresa.

No final dos anos 70, Eisner passou dois anos trabalhando em quatro histórias curtas que se transformaram na Graphic novel ´Um Contrato com Deus´, publicada originalmente pela Baronet Books em 1978. Com esse trabalho Eisner quis se desvencilhar da visão infanto-juvenil que o público me geral tinha dos quadrinhos na época, e conseguiu. Seus trabalhos seguintes foram lançados pela editora Kitchen SInk Press e incluem obras semi-biográficas (O Sonhador, No Coração da Tempestade), retratos da vida contemporânea (O Edifício, Pessoas Invisíveis) e até parábolas na forma de ficção científica (Life on Another Planet). Pode-se destacar ainda outras obras como O Nome do Jogo, Assuntos de Família, Avenida Dropsie, Fagin o Judeu e Pequenos Milagres. A última história desenhada por Eisner foi uma aventura do Spirit publicada em As Incríveis Aventuras do Escapista, um pouco antes de sua morte. Para a editora NBM ele produziu três adaptações de clássicos da literatura (muito em voga hoje em dia), Moby Dick, A Princesa e o Sapo e O Último Cavaleiro (Dom Quixote).

Eisner também foi professor na School of Visual Arts em Nova York e escreveu dois dos melhores livros teóricos sobre quadrinhos: Quadrinhos e Arte Sequencial e Narrativas Gráficas. Ele faleceu no dia três de janeiro de 2005 aos 87 anos.

Curiosidades
  • Will Eisner era reverenciado não só pela indústria de quadrinhos norte-americana mas também pela escola européia, conhecida por um estilo muito particular.
  • Will Eisner era fascinado pelo Brasil, e visitou esse país sete vezes. Certa vez ele disse que não se mudava para o Brasil "porque não conseguia aprender a falar português". Mas havia uma palavra em português que ele adorava, e que não havia similar em inglês: saudade.
  • Will Eisner conta que ficou impressionado quando soube que Ziraldo, quadrinhista brasileiro famoso e que iria recebê-lo no aeroporto, tinha acabado de sair da prisão. Era 1975 e Ziraldo tinha sido "recolhido" pela ditadura militar brasileira. O mesmo Ziraldo conta que quando conheceu Will Eisner, tremia de nervoso: "Eu estava conhecendo aquele que mais povoou a minha imaginação infantil, e me inspirou a ser o que eu sou hoje".
  • No final dos anos 90 do século XX, Will Eisner dedicou-se a produzir versões em quadrinhos de vários clássicos da literatura. Entre eles, temos Moby Dick, O Último Cavaleiro Andante (Dom Quixote) e A Princesa e o Sapo. Posteriormente produziu Sundiata, uma lenda africana.
  • Uma curiosidade que Will Eisner conta é que ele sempre preferiu trabalhar com editoras pequenas, de forma que ele pudesse falar diretamente com o editor, e não ter que marcar audiências. Por isso ele publicou por um bom tempo pela Kitchen Sink Press, de Dennis Kitchen, e não por nenhuma das grandes do mercado (DC, Marvel, Image e Dark Horse).
  • Em 1999 foi produzido no Brasil o documentário Will Eisner: Profissão Cartunista, tratando da sua vida e obra, trabalho da produtora Scriptorium e a TV Senac.
Citar

Avaliação dos Usuários Para Will Eisner
Ajude a comunidade a crescer avaliando a qualidade deste artigo!
Avaliação Média :
  • 10 Votos - 4.9 Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Total de Votos : 10

Comentários dos Usuários Sobre Will Eisner
Offline Edilson - 22-01-2015, 04:03 PM
Resposta: #2
Gostaria de parabenizar ao autor por este excelente texto biográfico!
Buscar Citar
Offline Pedrão1234 - 24-07-2016, 06:08 PM
Resposta: #3
Muito bom!
Buscar Citar



Ir ao Fórum:

© 2007-2012 SoQuadrinhos

Página desenvolvida por Knight Rider