Bem-vindo ao SoQuadrinhos, por favor, efetue Login ou Crie uma conta para ter acesso total aos fóruns. Se tiver algum problema, Entre em Contato.
 
Avaliação do Tópico:
  • 2 Votos - 5 Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Como Surgiram os Novos X-Men

Offline Knight Rider Postado: 19-12-2012 - 11:22 PM
Resposta: #1
Velha-Guarda
Velha-Guarda
309 Respostas
Reputação: 14
Imagem

Debandada Mutante


No começo dos anos 1970 o título dos heróis mutantes X-Men estava para ser descontinuado devido às baixas vendas. Assim, a Marvel Comics liberou a dupla de criadores Roy Thomas (roteirista) e Neal Adams (desenhista) para realizar outros projetos. Todavia, quando os primeiros relatórios da distribuidora chegaram à editora, perceberam que a revista estava, mais uma vez, agradando os leitores. Thomas e Adams haviam imprimido novo fôlego aos personagens criados em 1963 por Stan Lee e Jack Kirby, tornando-os mais uma vez interessantes.
Como não havia jeito de reunir de novo os autores em X-Men, pois agora cuidavam das séries dos Vingadores e dos Inumanos (em Amazing Adventures), o jeito foi continuar a publicar o título reprisando histórias antigas a partir do n° 67. E a série permaneceu dessa maneira até a metade da década. Os X-Men passaram a atuar como coadjuvantes e/ou convidados especiais em outras revistas como Marvel Team-Up, Hulk, Amazing Spider-Man, Defenders e, um deles, o Fera, ao menos, estrelou série própria na revista Amazing Adventures, entre as edições 11 e 17, e sofreu mais uma mutação, virando, de fato uma fera (de pelos azuis), ingressando, então, na equipe dos Vingadores.

Surge o Wolverine


Wolverine
Em 1972, Stan Lee foi promovido a Publisher pela diretoria da Marvel, e Roy Thomas assumiu a posição de Editor-Chefe, numa sucessão que pareceu bem natural à época, devido à proximidade e amizade entre os dois profissionais. Ninguém melhor que Thomas para substituir o famoso "The Man" na Casa das Idéias, afinal, ele conhecia muito bem todos os personagens e o andamento da empresa, e trabalhara em parceria com vários de seus colaboradores freelancer. Mas não foi bem assim que aconteceu. Thomas não estava confortável nessa nova posição burocrática e sentia falta de criar histórias e persona-gens. "Eu senti que estava perdendo tempo demais com coisas que eu realmente odiava fazer!"
Thomas ficou pouco tempo no cargo, passando o "abacaxi" para Len Wein no final de 1974. Entretanto, antes disso acontecer, o editor lembra de uma conversa que teve com Wein durante um almoço: "Nós falamos sobre criar um personagem canadense, pois nossas revistas vendiam muito naquele país. Eu achei que 'Wolverine' era um bom nome e queria que ele fosse um sujeitinho briguento. A partir daí, deixei por conta de Len." De fato, Wein introduziu o tal Wolverine na última página da revista The Incredible Hulk #180 (outubro de 1974) - apresentando-o como a secreta "Arma X" do governo do Canadá. Wolverine era ágil, feroz, tinha fator de cura (que o sarava rapidamente de qualquer ferimento) e possuía três garras afiadas de Adamantium - o metal mais duro do mundo, só existente no Universo Marvel - em cada uma das mãos.
O uniforme amarelo original foi concebido pelo diretor de arte John Romita e desenhado no gibi por Herb Trimpe. "Quando te dão um nome como 'Wolverine' o que você faz é pesquisar. Wolverine é um animal pequeno, fedorento e com garras. O que o tornou um herói, foi que, apesar de ser capaz de estripar um inimigo, ainda assim, ele conseguia se controlar." - comentou Wein a respeito da personalidade selvagem do baixinho invocado. Adiante, Wein atribuiu às habilidades do herói uma herança mutante, já que ele e Thomas estavam pensando em reavivar a série dos X-Men e utilizá-lo como um dos novos membros. Novos?

Uma Equipe Apátrida


Capa de Giant-Size X-Men #1
Ainda em 1974, Roy Thomas e Stan Lee atenderam a uma convocação do Presidente da Marvel, Al Landau, que - apesar de indicado pela Cadence Industries -, não tinha nenhuma experiência editorial, e por isso precisava aconselhar-se com os dois. Landau encabeçava o Trans World Features Syndicate, uma organização que licenciava quadrinhos americanos para o resto do mundo, e achou que a Marvel poderia se aproveitar disso e criar uma série com personagens oriundos de diversos países para, assim, realizar grandes vendas. De imediato, Thomas lembrou da série Blackhawk (no Brasil, "Falcões Negros"), da extinta editora Quality. Uma esquadrilha de aviadores criada por Will Eisner e Chuck Cuidera, onde cada membro era de uma etnia diferente. A sugestão de Thomas era aplicar o conceito num revitalizado grupo de X-Men.
Proposta aceita, o editor mais uma vez passou as diretrizes a Len Wein e ao desenhista Dave Cockrum, para logo em seguida, resignar do cargo de editor-chefe em favor de Wein. Foi de Thomas, por exemplo, a idéia de manter um ou dois personagens do grupo original (no caso, Ciclope e o Professor X), como recrutadores de novos membros para a equipe. Por ironia, Wein não levou em conta a principal ordem da editora: a de se criar personagens oriundos de países onde as vendas da Marvel fossem maiores. Caso contrário, heróis como Colossus (da Rússia), e Tempestade (do Quênia) jamais veriam a luz do dia: "O aspecto mercadológico não me interessava. Dave Cockrum e eu apenas queríamos uma combinação interessante... alguém daqui, outro dali." - Wein, ao lembrar do processo de criação dos Novos X-Men. Pode ser que o editor quisesse valer sua nova posição de comando ou então, estivesse influenciado pelos diversos conceitos visuais propostos por Cockrum - famoso pela facilidade em criar uniformes, principalmente as remodelagens que empregou no grupo teen da Legião dos Super-Heróis, da DC Comics - conforme confidenciou certa feita: "Dave tinha um caderno com dezenas de personagens desenhados por ele que, esperava um dia, poder utilizar... Nós misturamos os uniformes e os poderes, e chegamos a um grupo coeso."
A dupla veio com Noturno, uma aberração originária da Alemanha com poder de teletransporte; Wolverine, do Canadá; Pássaro Trovejante, um superíndio Apache; os já comentados Colossus (um jovem com pele de aço) e Tempestade, capaz de controlar o clima; além de dois ex-inimigos: Banshee, o gritador escocês; e Solaris, proveniente do Japão. A primeira missão dos novos mutantes se deu em Giant-Size X-Men #1 (maio de 1975) e foi um sucesso instantâneo, encorajando a editora a criar histórias inéditas para os Novos X-Men a partir da edição 94 do gibi de linha (agosto de 1975).
Como Wein também escrevia o gibi do Incrível Hulk e suas funções como editor-chefe tomavam muito de seu tempo, "passou a bola" dos X-Men para seu assistente Chris Claremont: "Eu tive de abrir mão de um dos títulos... e como o Hulk sempre foi meu personagem Marvel preferido..." -Wein e Claremont ainda co-planejaram as edições 94 e 95 da revista e, a partir de X-Men #96 (dezembro de 1975), Claremont passou a comandar - por um bom tempo - sozinho as diretrizes da grandiosa saga mutante que estava nascendo.

O "Senhor X"


X-Men vs Irmandade dos Mutantes
Chris Claremont tinha uma veia dramática bem apurada, com certeza, devido à sua aptidão artística para o Teatro - no qual queria ingressar após um pequeno estágio na Marvel, onde estava apenas para "... ganhar um pouco de dinheiro e pagar as contas." Enfim, jamais saberemos se o mundo do Teatro perdeu ou não um grande ator, mas com certeza o universo das Histórias em Quadrinhos ganhou um de seus criadores mais ilustres e famosos. Claremont escreveu as aventuras dos Novos X-Men ininterruptamente por cerca de 17 anos, transformando a revista no maior sucesso comercial das décadas de 1980 e 1990, o que o fez receber o carinhoso apelido de "Senhor X". Ou conforme as próprias palavras de Jim Shooter: "Chris era grande! Nós brigávamos feitos cães e gatos e, tenho certeza, ele me odeia. Mas eu tenho de reconhecer... foi ele quem construiu a franchise X-Men!"
Claremont não havia lido as histórias originais dos X-Men feitas por Stan Lee e Jack Kirby nos anos 1960, mas conhecia muito bem o que a dupla fizera no gibi do Quarteto Fantástico, especialmente na fase em que surgiram Galactus, o Devorador de Mundos, e seu melancólico arauto, o Surfista Prateado. Era isso o que Claremont queria fazer com os X-Men: uma grande e complexa família de jovens problemáticos vivendo aventuras emocionantes que resgatassem o clima apoteótico-cósmico da série do Quarteto de Lee e Kirby.
Para isso dar certo, Claremont e Cockrum mexeram em alguns conceitos pressupostos por Len Wein, como o de tornar Wolverine um sujeito mais velho, experiente e com um passado obscuro, afastan-do-o da figura jovial com ar de "rebelde sem causa" idealizada por Wein. Por outro lado, Noturno, que era para ser um sujeito amargo e atormentado, foi redefinido como uma personalidade espirituosa e de bem com sua aparência monstruosa. Logo na edição 94, Solaris sai da equipe e volta para o Japão. Na edição seguinte, a primeira baixa: Pássaro Trovejante morre durante um combate com o vilão Conde Nefária, mostrando que nas aventuras desses Novos X-Men as coisas poderiam ser bem mais pesadas. Entre as edições 100 e 101 (agosto e outubro de 1976, respectivamente) a ex-integrante Jean Grey, namorada de Ciclope, transforma-se na poderosa Fênix, após um acidente no espaço, e volta aos quadros da equipe.
E se o grande número de personagens obrigava o autor a trabalhar as personalidades dos mesmos de um modo mais lento que, por exemplo, Stan Lee em séries como as de Quarteto Fantástico e Homem-Aranha - onde desde o princípio já se era possível identificar as características dos heróis -, por outro lado, as caracterizações intrínsecas dos X-Men agradavam e divertiam os leitores, gerando uma compulsão generalizada de se comprar todos os meses o título: "O truque com os X-Men era que você não conseguiria ler apenas um número. Sempre tinha alguma coisa interessante que o fazia desejar comprar a edição seguinte!" - argumentou Claremont, com satisfação.

Citar:Artigo baseado em texto escrito por Roberto Guedes no livro A Era de Bronze dos Super-Heróis (HQM Editora).

A maior comunidade de fãs da nona arte do Brasil agora de cara nova para tornar nossa estada aqui mais prazerosa.
Ajude esta comunidade a crescer ainda mais, leia, comente, entre para a equipe!
Voltar ao topo WWW Buscar Citar
Offline Kadosh Postado: 28-01-2013 - 11:38 AM
Resposta: #2
Membro Sênior
Registrados
310 Respostas
Reputação: 10
Parabéns pelo artigo, simplesmente fantástico.
Voltar ao topo Buscar Citar
Offline DiegoKuririn Postado: 29-01-2013 - 01:58 PM
Resposta: #3
Produtor
Produtores
136 Respostas
Reputação: 7
Belo texto! X-Men é um ótimo HQ, pena que os filmes não tiveram a mesma essência que os seus criadores colocaram em cada página (também as produtoras só querem lucrar, e dane-se a história).
Passei minha infância lendo e vendo X-men, e na época ficava viajando pensando se existia mesmo mutantes(coisa de criança mesmo).
(Resposta editada pela última vez em: 04-02-2013 05:34 PM por DiegoKuririn.)
Voltar ao topo Buscar Citar
Offline Guil.Gabriel Postado: 04-02-2013 - 12:25 AM
Resposta: #4
Novato
Registrados
1 Respostas
Reputação: 0
Sou muito Fã dos X-men
Gosto muito, otimo artigo
Voltar ao topo Buscar Citar
Offline Thyago X Postado: 04-02-2013 - 09:27 AM
Resposta: #5
O cara mais legal do mundo
Velha-Guarda
226 Respostas
Reputação: 8
Eu vejo isso e me vem à mente a musiquinha do desenho clássico. Sorriso

Imagem
Voltar ao topo WWW Buscar Citar
Offline areia Postado: 10-02-2013 - 07:28 PM
Resposta: #6
Novato
Registrados
7 Respostas
Reputação: 0
só acho sacanagem que fazem com a minha personagem favorita deixando ela em segundo plano ORORO(SOU FÃ DAS ANTIGAS)TristeTriste
Voltar ao topo Buscar Citar
Offline hugodaher Postado: 12-02-2013 - 01:04 AM
Resposta: #7
Novato
Registrados
4 Respostas
Reputação: 0
Parabéns, excelente artigo!!
Voltar ao topo Buscar Citar
Offline matheus_ssa Postado: 13-02-2013 - 12:09 AM
Resposta: #8
Novato
Registrados
7 Respostas
Reputação: 0
Ótimo artigo,ótimo mesmo.
Voltar ao topo Buscar Citar
Offline luisaugustoprates Postado: 15-02-2013 - 01:41 AM
Resposta: #9
Novato
Registrados
3 Respostas
Reputação: 0
A riqueza e simbolismos que o Claremmont criou com os X-Men é muito maior do que o que a Marvel se propunha a fazer até então. Vejo hoje uma necessidade da Marvel em agregar os valores criados pelo autor nos seus mais lucrativos heróis, os Vingadores. E o pior é que já pelo nome os Vingadores contradizem o que o Claremmont propunha. Não acho que aproximar os grandes heróis dos filmes seja um erro, mas renegar os mutantes pela aquisição de direitos autorais cinematográficos é lamentável. Os X-Men de Claremmont evoluíram o estado de super-heróis com problemas pessoais para super-heróis com problemas sociais... e no mais, eles jamais perderiam aquela briga.
Voltar ao topo Buscar Citar
Offline Arish Reina Postado: 15-02-2013 - 03:56 PM
Resposta: #10
Velha-Guarda
Velha-Guarda
2,533 Respostas
Reputação: 22
Muito interessante...

Aposentado.
Voltar ao topo WWW Buscar Citar


Ir ao Fórum:

Usuários navegando neste tópico
1 Visitantes

© 2007-2012 SoQuadrinhos

Página desenvolvida por Knight Rider